FILMES E SÉRIES PARA VOCÊ REFLETIR SOBRE QUESTÕES RACIAIS

YZG | Filmes

23

JUN

Pensar sobre as diferenças é essencial para aprender com elas e, acima de tudo, respeitá-las. O mundo é cheio de diversidades e podemos aprender muito convivendo com outras pessoas. Mas, infelizmente, encontramos aqueles que não entendem essas diferenças e têm atitudes e comportamentos preconceituosos. O preconceito racial é um exemplo, presente em vários aspectos da nossa sociedade.

Aqui no Yázigi, propomos um meio de enxergar o mundo em que toda diversidade é respeitada. E por isso incentivamos o diálogo sobre ela como forma de combater todo tipo de preconceito de um ser humano sobre outro.  

Vivemos em um mundo que já passou por períodos de escravidão de pessoas negras, guerras com genocídio de populações de diferentes etnias e outros tristes marcos da nossa história que trazem reflexos dessa violência até hoje. Muitos acreditam que o racismo já seja uma questão superada, mas situações de preconceito e opressão de caráter racial ainda são recorrentes em todo o mundo.

Para continuar essa conversa, trouxemos hoje uma lista de filmes e séries que discutem questões raciais para você assistir e refletir sobre o racismo. Confira:

13TH

Com a emenda constitucional que aboliu a escravidão nos Estados Unidos como título, o documentário de Ana DuVernay discute o encarceramento em massa da população negra no país. A diretora é conhecida pela presença frequente do debate sobre injustiça racial, e seu filme trata a história dos negros norte-americanos analisando o “desenvolvimento” da escravidão para o racismo institucional e o preconceito racial existentes até hoje, que levam a população carcerária negra a números absurdos que não param de crescer.

THE HELP

O filme de 2011 trata dos habitantes de Jacksonville, no interior do estado americano do Mississipi, em 1963, período em que a segregação racial ainda era vigente em certas regiões dos Estados Unidos. Skeeter é uma jovem aspirante a escritora da cidade que, como a maior parte das pessoas brancas do seu convívio, foi criada por uma mulher negra que trabalhava para a sua família. Para o seu primeiro livro, ela decide contar histórias relatadas a ela por diversas mulheres negras que trabalham para famílias brancas de Jacksonville, o que acaba escandalizando a sociedade local. 

BRANCO SAI, PRETO FICA

Durante um baile popular em Brasília na década de 1980, a polícia invade o local gritando “Branco sai, preto fica!” e dois adolescentes negros acabam sendo gravemente feridos. Em 2073, Cravalanças, um agente da ordem formada por negros e minorias no futuro, decide viajar no tempo para encontrar provas da responsabilidade da polícia sobre o que aconteceu com os dois. O filme, dirigido por Adirley Queirós, é extremamente interessante para compreender as questões raciais específicas do contexto brasileiro.

MOONLIGHT

Vencedor do Oscar de Melhor Filme deste ano, “Moonlight” retrata a vida de Chiron, um jovem negro que vive em Miami, desde as dificuldades de sua infância na periferia da cidade até a busca por sua identidade no início da vida adulta. O filme debate não só questões raciais como também gênero e sexualidade, e foi a primeira produção com elenco totalmente composto por atores negros a receber o prêmio de Melhor Filme.

THE GET DOWN

“The Get Down” é uma produção original da Netflix sobre a Nova York do fim dos anos 1970, em que a periferia da cidade via-se em ruínas e sua população completamente marginalizada. Entre os diversos problemas sociais do período, surge um novo movimento musical no bairro do Bronx, marcando os últimos dias da disco music e o nascimento do hip-hop. A série retrata as questões raciais e de classe que colocaram essas pessoas em uma situação tão vulnerável, ao mesmo tempo em que relembra uma época extremamente rica da história da música.

MASTER OF NONE

Escrita, dirigida e protagonizada pelo humorista Aziz Ansari, “Master of None” conta a história de Dev, um jovem nova-iorquino descendente de imigrantes indianos que tenta estabelecer-se como ator enquanto enfrenta as tradicionais questões da recente vida adulta, entre relacionamentos e realização profissional.

O elenco da série é composto majoritariamente por descendentes de imigrantes e, ao longo dos episódios, são apontadas atitudes racistas pela maior parte das pessoas, com espaço para pontos de vista de pessoas negras, indianas, latinas, coreanas, filipinas e outros representantes dos vários grupos étnicos que compõem a população Estados Unidos.

3 atitudes simples que você pode seguir e ajudar a combater o racismo

Além de se informar sobre o preconceito racial e os seus impactos ao redor do mundo, existem algumas atitudes que você pode praticar no seu dia a dia para evitar que esse tipo de violência se propague. Veja:

Não reproduza piadas preconceituosas

Piadas que possam ser entendidas como racistas não são engraçadas de jeito nenhum. Não há justificativas para reproduzir uma brincadeira que possa ofender uma pessoa, já que a repercussão dela pode estimular um pensamento discriminatório. Com certeza é possível encontrar um assunto com o qual você possa se divertir sem causar problemas para ninguém.

Peça ao seu professor de história para trabalhar história afro-brasileira em sala

Lembrar da história dos povos africanos e a sua expansão pelo Brasil é extremamente importante para entender a formação do povo brasileiro. Existe uma lei em vigor desde 2003 que exige que todas as escolas brasileiras abordem o assunto em sala de aula e é importante que ela seja cumprida.

Conhecer a história do povo negro no Brasil e no mundo é extremamente importante para combater pensamentos preconceituosos e evitar a priorização da história de um povo em relação ao outro. Lembre o seu professor disso na próxima aula!

Não explique a alguém que sofre com racismo como ele deve se sentir

Apenas quem já sofreu experiências racistas pode saber como ele pode afetar o dia a dia e a autoimagem de uma pessoa. Se você tem o privilégio de não ter que conviver com situações preconceituosas na sua rotina, não banalize o que uma ação racista pode causar a alguém e nem exija que a reação dessa pessoa seja a esperada por você.

Pequenas ações podem fazer toda a diferença para combater o preconceito. Faça a sua parte e vamos juntos construir um mundo em que toda diversidade é respeitada!

Tweetar
Compartilhar
+1
©Yázigi Todos os direitos reservados.
Av. João Scarparo Netto, 84 Condomínio Unique Village - Santa Genebra 13080-655 - Campinas/SP
Pearson - Always Learning